Saúde e Sexualidade Juvenil

Página Inicial  >  Saúde e Sexualidade Juvenil  >  Sexualidade  >  A sexualidade e as relações
  A primeira vez A primeira vez
O início da vida sexual

A primeira vez de quê? Existem muitas "primeira vez" na experiência amorosa! A primeira paixão, o primeiro beijo, a primeira carícia, a primeira vez que estão despidos à frente de alguém! A primeira relação sexual! São muitas as expetativas ligadas à primeira vez em que vamos estar numa situação de mais intimidade com outra pessoa.

Queremos que tudo corra na perfeição, que seja o momento perfeito. Crescem inquietações, ansiedades: será que ele(a) vai gostar de mim? É importante falar sobre o que gostam, o que não gostam, sobre os vossos desejos e ansiedades.

Este é um caminho que deve ser vivido a dois. Uma aproximação gradual baseada na partilha de carícias e das sensações daí resultantes, é eficaz para aliviar possíveis tensões e/ou ansiedades. Experimentar, partilhar desejos e emoções aumenta o sentimento de segurança e descontração, tão importantes para que a intimidade vá crescendo de forma tranquila e alegre.

 

Associado à primeira vez, surge o conceito de virgindade, que pode ter várias interpretações. Se, para uns, ser virgem significa nunca ter tido um contacto sexual, para outros, significa nunca ter tido uma relação com penetração; outros ainda, atribuem o rompimento do hímen à perda da virgindade. Não existe portanto uma definição consensual do que é a virgindade.


O significado mais comum atribuído ao conceito de virgindade tem a ver com a prática sexual, em que existe a penetração do pénis na vagina havendo o rompimento do hímen. O hímen é uma membrana de pele muito fina que existe um pouco depois da entrada da vagina. As suas características diferem de mulher para mulher em função do seu grau de elasticidade.


Alguns hímenes rompem logo nas primeiras relações sexuais e provocam um sangramento, enquanto outros, por serem mais flexíveis, alargam e não sangram. Mas também se pode dar o caso de uma mulher não ter hímen, ter nascido sem ele! Noutras situações, há complicações (muito raras) em que o hímen não tem orifício. Nestes casos, o médico realiza uma intervenção cirúrgica para que o hímen fique com uma pequena abertura para a menstruação sair e/ou romper posteriormente.

  • O tampão não tira a virgindade;
  • Quem se masturba não deixa de ser virgem, mesmo que a masturbação seja a dois;
  • Se a rapariga/mulher não sangrar na primeira relação sexual não significa que ela não é virgem.   

Relativamente à virgindade ouvem-se ainda muitas histórias, muitas ideias feitas…

• Será que o corpo muda quando se perde a virgindade?
• A primeira relação sexual dói?

Basicamente, o corpo não se altera quando a pessoa inicia a vida sexual. Talvez te sintas diferente, mas fisicamente o teu aspecto é o mesmo. O que por vezes sucede, é que ao sentires-te diferente, comportas-te de modo diferente, podes sentir-te mais bonita(o), mais desejada(o), confiante e amada(o). É só!  

Por outro lado, a primeira relação sexual não implica necessariamente dor. Os mitos acerca do rompimento do hímen, da penetração, são passados de boca em boca, de geração em geração. É claro que a precipitação, a falta de confiança, o não te sentires preparada(o), o medo, a ansiedade podem fazer com que os músculos da vagina fiquem mais contraídos e que não lubrifiques tanto.

Nestas circunstâncias, a relação sexual pode ser um pouco desconfortável. Quando um casal se sente preparado para ter uma relação sexual, quando sentem que chegou o momento, quando dispõem de tempo, basta deixar crescer o desejo, relaxar e desfrutar da intimidade a dois. As carícias, os gestos ternos, as palavras ditas com carinho, afeto e cuidado podem ajudar a descontrair.   

Iniciar a vida sexual é uma escolha. Uma escolha individual. E essa decisão deve ser pensada e tomada com maturidade sejam rapazes ou raparigas. Fazer amor é partilhar emoções, sensações, é confiar, é amar, é desejar, é prazer, é ser responsável, é brincar...

 

Tu é que decides qual é a idade certa. Porém, se as dúvidas e as questões “dançam” na tua cabeça, é melhor parares para pensar. Não existe uma idade, uma hora ou um espaço indicado ou aconselhado. Para ti a idade certa pode ser uma, para a(o) tua/teu amiga(o) outra.

Tudo depende dos teus sentimentos, do teu desejo, da tua segurança, do teu sentido de responsabilidade, da tua maturidade física e afetiva. As ideias ou os tempos das outras pessoas não te obrigam a nada.                                                                       

Existem, no entanto, alguns aspectos que podem ajudar na tua decisão:


• Falarem um com o outro sobre os vossos sentimentos e desejos para saber se a relação sexual  é um desejo de ambos;
• Terem por perto algum suporte ao nível da Saúde Sexual e Reprodutiva (SSR) (ex: Gabinete de Atendimento à Sexualidade Juvenil, Centro de Saúde) e familiar (ex: um(a) primo(a) mais velho(a), um(a) amigo(a) da família com quem possas contar);
• Informarem-se sobre os vários métodos contracetivos e prevenção de IST (infeções sexualmente transmissíveis);
• Decidirem, em conjunto, quais os métodos contracetivos que querem utilizar.  

 

 



Partilha esta informação E-mail | Facebook | Twitter
pesquisa
eventos
fala connosco
Linha da Juventude800 203 050
Linha
da Juventude
Ponto Já
   
Sítio acessível
segundo as normas do W3C